Mostrando 251 resultados

Registro de autoridade

Fantini

Esav

  • Entidade coletiva

A Escola Superior de Agricultura e Veterinária (Esav) nasceu como uma instituição de ensino superior baseada no modelo norte-americano dos Land-Grant Colleges. Modelo que é pautado no ensino, pesquisa e extensão, também voltada para a melhor instrução dos trabalhadores do campo. A Esav contava com as seguintes modalidades de cursos: os breves, os elementares, os médios e os superiores. Criada formalmente em 30 de março de 1922 e inaugurada em 28 de agosto de 1926, a Esav iniciou suas atividades acadêmicas em 1º de agosto de 1927 com os cursos fundamental e médio. As aulas do curso superior de agricultura iniciaram no semestre seguinte e o superior de veterinária, em 1931. O formato de Escola percorreu até o ano de 1948 quando deu origem a Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (Uremg).

Em Tempo

  • Entidade coletiva

Mais do que todos os outros jornais citados anteriormente, Em Tempo era, explicitamente, uma frente de organizações de esquerda. Dele participavam militantes do MEP (Movimento de Emancipação do Proletariado), da APML (Ação Popular Marxista Leninista), do MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), da Polop (Política Operária) e de diferentes grupos de inspiração trotskista, tais como a Libelu (Liberdade e Luta), o grupo mineiro Centelha e o grupo gaúcho Nova Proposta. Estes dois últimos vieram a se juntar constituindo a organização Democracia Socialista (DS). Além dos militantes organizados ou influenciados por estas organizações, o jornal reunia ainda muitos jornalistas independentes egressos de experiências anteriores na imprensa alternativa. Em comum entre todas estas tendências, a perspectiva crítica em relação aos dois partidos comunistas mais tradicionais do Brasil (o PCB e o PCdoB) e à tática por eles preconizada de uma etapa democrático-burguesa (ou democrático-nacional) para a revolução brasileira. Em oposição a esta visão considerada “etapista”, Em Tempo pretendia reunir partidos, organizações e militantes que acreditassem na possibilidade de uma imediata revolução socialista no país.

O primeiro número foi lançado em São Paulo em janeiro de 1978 mas, antes dele, saíram três exemplares experimentais no final de 1977. No princípio teve como diretores Antônio de Pádua Prado Jr., Bernardo Kucinski, Jorge Batista, Roberto Aires, Tibério Canuto. E como editores: José Arrabal, Maria Rita Kehl, Sérgio Mateus e Carlos Tibúrcio. Tinha um vasto conselho editorial e administrativo do qual faziam parte, entre outros, Eder Sader, Sérgio Alli, Flávio Aguiar, Robson Aires, Flávio Andrade etc. Entre os redatores, José Veiga, Elvira Oliveira, Virgínia Pinheiro, Guido Mantega.

A luta política acirrada entre as diversas tendências e organizações que o compunham foi uma constante na dinâmica do jornal, que tinha seus impasses decididos em assembléias. A partir de 1979, Em Tempo também incorporou muitos exilados políticos que retornavam ao país (trazendo com eles novas tendências políticas como o grupo dos “autonomistas”, que propunham a autonomia do movimento operário em relação aos partidos políticos, mesmo aos de esquerda).

Como um jornal de frente, Em Tempo traduziu, em suas páginas, alguns dos principais conflitos entre as diversas correntes da esquerda brasileira. Mas não conseguiu manter este caráter plural durante muito tempo. A agudização destes conflitos levou a sucessivas crises que, paulatinamente, foram excluindo do jornal a variada gama de correntes políticas que o compunham. No início de 1980 Em Tempo tinha-se tornado um jornal de partido. Era um órgão da DS — o grupo trotskista Democracia Socialista.
(Fonte: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/imprensa-alternativa)

Editais

Editais

Diretores

Resultados 121 até 150 de 251